3 de setembro de 2019 • 12:02

2019, o ano do podcast no Brasil (será?)




Em cada um dos últimos dez anos, a turma que produz podcast no Brasil assistiu de camarote a publicações que fizeram questão de cravar: “esse é o ano do podcast no país”. Todo ano é a mesma coisa e, invariavelmente, essa previsão é quebrada e desmentida em pouco tempo. Resultado: a frase já se tornou piada entre os podcasters.

Mas, pode ser (veja bem, não estou afirmando nada, eu disse “pode ser”, ok?) que finalmente esse dia tenha mesmo chegado. Depois de uma ascensão mundial do formato, que pegou em cheio uma boa parcela do público brasileiro, tudo leva a crer que 2019 é realmente o ano do podcast no Brasil!!! (as exclamações múltiplas e efusivas são um recurso para fazer você se desviar da possibilidade dessa previsão também estar errada, não vou negar).

No último dia 25 de agosto, o Grupo Globo anunciou, com uma longa matéria no Fantástico que explicava tintim por tintim o que é um podcast, sua entrada de vez nesse universo. O grupo de comunicação, que é, aliás, um dos maiores do mundo, colocou seu setor de jornalismo como responsável por tocar essa incursão global ao formato, com o lançamento de 10 programas de uma vez só, de todos os tipos e para todos os gostos.

Com a entrada de um player do tamanho da Globo na jogada, fica difícil dizer que um dia o podcast já foi tão grande e conhecido no país quanto é hoje. E, pra não dizerem que tô entrando no rol dos que insistem em previsão furada, números corroboram essa afirmação: 40% dos brasileiros com acesso à internet já escutaram um podcast, segundo pesquisa Ibope aplicada em janeiro deste ano e divulgada em maio. Isso corresponde a um número impressionante de 50 milhões de pessoas. Sério, duvido que qualquer outro ano teve tanto ouvinte de podcast assim, não é? Concorda comigo e não me deixa sozinho nessa, vai.

Outro fator que deixa clara essa possibilidade é que nunca se produziu tantos podcasts no país – e com tanta qualidade. Pra se ter uma ideia, o Spotify, maior player de áudio em streaming do mundo, mergulhou de cabeça nessa onda e já oferece milhares de programas gratuitos que tratam de assuntos diversos como games, política, saúde, esporte, educação, arte e entretenimento, além da nova menina dos olhos do setor, o podcast de storytelling. Tipo assim, dá pra dizer que “podcast no final dos anos 2010” é o novo “blog no começo dos anos 2000”.

Se 2019 será ou não o ano do podcast no Brasil, saberemos com o tempo (a essa altura eu acho que é, mas, sei lá, tenho receio de afirmar... sabe como é, gato escaldado). Mas uma coisa é certa: a publicidade descobriu o formato de vez e já começa a fazer uso pesado dessa plataforma para seus conteúdos. Seja como patrocinadoras, como anunciantes ou até como produtoras de conteúdo original, muitas marcas têm se aventurado nas ondas sonoras do podcast e deixam no ar um cheirinho de grana que começa a se espalhar com força no mercado. E, se tem grana circulando, é porque tá dando certo. Pronto, taí o principal indício de que 2019 é o ano do podc... bem, vocês já entenderam.