10 de março de 2008 • 19:02

Além da imaginação. Será mesmo?



Esses dias conversava com amigos sobre filmes das antigas. É aquele tipo de papo nostálgico que começa em Goonies, passa por Viagem ao Mundo dos Sonhos, e termina em Sem Licença Para Dirigir. Nada parece mais divertido do que lembrar como aqueles jovens atores, todos da nossa idade ou geração, tinham mullets e optaram por uma adolescência ultra rock 'n roll de drogas, badalações e loucuras mil. Viva Corey Feldman e viva River Phoenix (ops, esse último pegou tão pesado que nem adianta dizer "viva").

Nessas ocasiões sempre me vem à cabeça um filme que eu temo nunca mais assistir e de cujo nome eu nunca mais lembrarei. Claro que outras pessoas no mundo devem ter assistido também, mas devem estar todas espalhadas estrategicamente para que nenhuma tenha qualquer contato com a outra. E é claro que deve ser um belo de um filme B (até C ou D, se bobear), com atores e efeitos toscos, mas isso nem importava muito lá pelos meus sete ou oito anos de idade

Eu acho que assisti no SBT, deve ter sido entre lá pra 87 ou 88, e a história era mais ou menos assim: a família acorda e se apavora ao descobrir que não consegue sair de casa, porque existe uma parede de ferro lá fora por todos os lados. Não adianta abrir as janelas, as portas ou garagem. Por qualquer buraco da casa que você olha, você só enxerga a tal parede. Acho que o filme vai se desenrolando só nessa agonia até que, em certo ponto, um misterioso líquido verde vem escorrendo de um cômodo. A família corre enquanto pode e tenta se salvar. Não conseguem, coitados. A partir daí, a história muda completamente: surge uma outra família, com aspecto e roupas diferentes, algo que na época provavelmente tinha a intenção de remeter ao futuro. Uma mulher diz para a filha retirar sua casinha de bonecas do armário (um armário de ferro, por sinal). É claro que aí você percebe que a casa no armário é casa da família que aparecera anteriormente no filme. A menina então olha pela janelinha e percebe que esqueceu lá dentro uma bala de menta e essa acabou derretendo (bala de menta, líquido verde, entendeu?).

Aí agora você imagina como esse filme deve ser fascinante para quem tem sete ou oito anos de idade. Cheguei a postar um tópico numa comunidade do orkut chamada Weird Movies (a minha cara estar nessa comunidade), perguntando desesperadamente se alguém também já tinha visto esse filme. A única resposta foi de um cara americano que, embora nunca tivesse assistido o troço, sugeriu que a tal história só podia ser de algum episódio de Além da Imaginação. Eu sei lá como vou fazer pra assistir Além da Imaginação em 2007. Internet? É, talvez. Mas e como achar um único episódio de uma série que atravessou décadas? Alguém me ajuda!

Marcelo Merçon