3 de março de 2008 • 18:19

Tirem as crianças do museu



A Neue Gallery, de Nova Iorque, está fazendo uma bela retrospectiva da obra do austríaco Gustav Klimt. A exposição, que tem a maior coleção de suas obras fora de Viena, traz o lado obscuro do trabalho do artista, muitas vezes também marcado pelo erotismo.

Vale lembrar que Klimt marcou a arte do século XX. Além de fundador da Secessão de Viena, movimento de artistas que protestavam contra o conservadorismo e academicismo da época, Klimt também é uma referência constante para ilustradores e artistas conteporâneos.

Sobre o erotismo, conta-se que Klimt pagava várias prostitutas para que convivessem com ele em seu estúdio e servissem de inspiração para seu trabalho. É claro que essa convivência às vezes acaba em cenas picantes, coisa fácil de se perceber em suas obras e esboços.

Quem um dia tiver a chance de ir a uma exposição das obras do austríaco, já sabe: as crianças têm que ficar em casa.

Marcelo Merçon (Com consultoria artística de Radael Junior)